Neste Artigo:

Em co-propriedade, todos os proprietários devem participar no pagamento do trabalho deste. No entanto, nem todos eles têm necessariamente os meios para honrar, no mais ou menos curto prazo, a parte financeira do trabalho que lhes cabe. Quais são as diferentes soluções possíveis de financiamento coletivo? Elementos de resposta.

Lembrete do princípio de financiar obras de condomínio

Quanto às despesas correntes, as despesas das obras são distribuídas entre cada um dos coproprietários de acordo com a sua quota e a natureza do trabalho a realizar. De fato, para a instalação de um elevador, por exemplo, somente os coproprietários da propriedade para a qual o equipamento possui um caráter de utilidade são chamados a participar nos vários financiamentos que ele induz.

A disposição funciona para o financiamento coletivo das obras em co-propriedade

A provisão de obras continua sendo a melhor solução para o financiamento coletivo das obras em co-propriedade. É também introduzido pela Lei de Alur para o acesso à habitação e ao planeamento urbano renovado, o que o torna obrigatório a partir de 1 de janeiro de 2017.
Esta provisão destina-se a constituir um envelope em antecipação, que torna possível dispor dos fundos antes de iniciar o trabalho, e lidar com emergências sem ter que “colocar o bico na água” para certos co-proprietários que não incapaz de avançar imediatamente somas consideráveis.
Cada co-proprietário é, portanto, obrigado a pagar uma certa quantia a cada mês, ou uma vez por ano, dependendo da operação do condomínio.

Empréstimos para financiamento coletivo de obras do condomínio

Sem esta provisão, e não tendo que lançar pedidos excepcionais para fundos em movimento, isto é, para grandes quantias a serem pagas em curto espaço de tempo, os coproprietários podem considerar obter um crédito de grupo.
O empréstimo de grupo para filiação individual ou empréstimo de condomínio ecológico é de fato concebível, onde cada co mutuário paga sua parte, por trimestre e ao longo de vários anos. Resultante de uma decisão tomada em Assembleia Geral de copropriedade, este crédito envolve apenas os co-proprietários que desejam beneficiar, alguns podem decidir trazer os fundos pelos seus próprios meios.


Instruções De Vídeo: Artigo 5º - Inadimplência em condomínios (02/01/18)