Neste Artigo:

A partir de 1 de janeiro de 2014, a obrigação de um estudo de viabilidade em energias renováveis ​​que até agora se referia a edifícios com mais de 1000 m2 agora vai tocar edifícios de 50 m2. Quem está preocupado? Como aplicar isso? O sistema D faz um balanço.

O estudo de viabilidade de fontes de energia obrigatórias de 50 m2

Energias renováveis ​​pesando na conta

Diferentes soluções de fornecimento terão de ser estudadas por indivíduos antes de apresentar o pedido de uma licença de construção de 50 m2. O Decreto Nº 2013-979 e o Despacho nº 0256 de 30 de outubro de 2013, no entanto, fornecem alguns ajustes para superfícies que variam de 50 m2 a 1000 m2 nova construção. Descriptografia de um decreto e um decreto pesado embora aliviado.
Em conformidade com a diretiva europeia de 2010 sobre o desempenho energético dos edifícios, a regulamentação exige que o proprietário do projeto e particulares realizem um estudo de viabilidade técnica e econômica do fornecimento de energia de novos edifícios a partir de 50 m2 de área construída. antes de o pedido de licença de construção ser apresentado.
Isto é para verificar se o edifício pode ser fornecido ou não por uma fonte de energia renovável.
O número de variantes a serem estudadas, embora limitado em comparação com a exigência de edifícios com mais de 1000 m2, corresponde a pelo menos quatro da seguinte lista:
- sistemas solares térmicos;
- sistemas solares fotovoltaicos;
- sistemas de aquecimento de madeira ou biomassa;
- sistemas de vento;
- ligação a um sistema de aquecimento ou arrefecimento urbano multi-construção ou urbano;
- bombas de calor geotérmicas;
- outros tipos de bombas de calor;
- caldeiras de condensação;
- sistemas combinados de calor e energia.
Este estudo, que o proprietário do projeto realiza ou encomendou por um escritório de projetos térmicos especializado neste tipo de estudo **, deve permitir que o beneficiário do trabalho escolha a solução mais econômica e ecologicamente eficiente. O cliente deve anexar ao seu arquivo um certificado certificando a conclusão deste estudo.
Esta nova restrição regulatória é aplicável para pedidos de licença de construção que serão arquivados a partir de 1º de janeiro de 2014. Jovens arquitetos já estão se perguntando como sobreviver neste labirinto de regulamentações. Sem mencionar os indivíduos que vêem isso como uma nova obrigação que se soma a um tempo já muito longo...
Um aumento adicional nos custos para indivíduos considerando a construção de uma área maior que 50 m2 ainda é esperado.
O sector da construção não deve apreciar a notícia que vem em particular logo após a confirmação do aumento do IVA sobre o valor acrescentado de 7% para 10% para o trabalho de renovação em habitação que satisfaça as condições.
* Decreto No. 2013-979 e Decreto No. 0256 de 30 de outubro de 2013 que altera o Decreto de 18 de dezembro de 2007 relativo a estudos de viabilidade de fornecimento de energia para novos edifícios e novas partes de edifícios e para renovações de alguns edifícios existentes em França foram publicados no JO de 3 de novembro de 2013.
** lista disponível na ADEME

Cada novo regulamento é geralmente acompanhado de exceções...

Edifícios isentos da realização do estudo do fornecimento de energia:

- edifícios sujeitos aos requisitos para a utilização de energias renováveis ​​a partir de regulamentos térmicos, como casas isoladas ou contíguas;

- construções temporárias planejadas para um período de uso igual ou inferior a dois anos;

- as novas partes dos edifícios (extensão, criação de níveis adicionais, extensão, varandas);

- todos os edifícios listados pelo código do edifício, em particular edifícios para uso agrícola, artesanal ou industrial.


Instruções De Vídeo: